Semana passada nós concluímos que a melhor maneira de sairmos das dificuldades ou nos livrarmos dos sentimentos doentios era Rir, assim poderíamos ter uma vida abundante, sorrindo para o futuro.

Esta semana eu gostaria de compartilhar sobre a descoberta do fruto pacífico.

Hoje sentei-me um pouco me deleitando com algo que aconteceu depois de um encontro desconfortável que tive. Na verdade, foi tudo um pouco embaraçoso, no entanto, como tudo o mais, Deus usa para o bem. Então, perguntei ao Senhor se isso era algo que Ele gostaria que eu compartilhasse como uma lição de vida, e se sim, por favor, que me desse um título, Ele me deu “fruto pacífico” que vem de uma promessa tão querida: “E, na verdade, toda disciplina parece ser mais dolorosa do que prazerosa, mas, depois, produz um fruto pacífico de justiça nos treinados por ela”. Hebreus 12:11

Quando li desta vez, não me lembrava daquelas palavras que coloquei em negritos “treinados” pela “disciplina”. A maioria associa disciplina e até mesmo treinamento de forma negativa. Mas disciplina não significa punição, assim como digo em Uma mulher sábia quando me refiro a quando disciplinamos ou treinamos crianças. Disciplina significa praticar ou treinar para fazer as coisas da maneira certa e é isso que traz "frutos pacíficos".

Deixe-me contar o constrangimento que passei, mas primeiro, deixe-me começar explicando o que eu tive que lidar com frequência enquanto estava aproveitando minha adorável área externa. Eu amo ficar deitada na sombra e tirar uma deliciosa soneca à tarde, após um intenso (mas sempre glorioso) dia de trabalho.

Todas as tardes, eu me delicio lembrando e agradecendo a Ele por bênçãos incríveis, coisas que nunca imaginei que poderia ter ou fazer (tirar uma soneca à sombra da minha piscina e lago). Então, é claro, o inimigo está ansioso para roubar a gratidão que Lhe é devida e fazer o seu melhor para nos roubar aquele fruto pacífico que vem por sermos Sua noiva.

Mais de uma vez, com muito mais frequência do que eu posso contar, o homem da piscina (que, na verdade, é um vizinho da dona da casa) simplesmente entra para fazer algo na piscina e parece que ele só vem quando estou lá fora, tirando uma soneca. E como eu não passo o dia todo, todos os dias, lá fora (não tanto quanto eu gostaria), eu passo a maior parte das tardes curtindo o ar puro e este Resort de férias durante a baixa temporada porque não estarei sempre aqui.

Muitas vezes eu pedi a ele que apenas viesse de manhã ou à noite e sei que, como inquilina, eu poderia fazer valer esse "direito" e conversar com a dona da casa sobre isso, porque ela perguntou se estava ok para mim deixar a porta com tela destrancada para ele. E porque, como noivas, somos naturalmente e prontamente agradáveis, eu disse “não há problema”, mas havia se tornado um problema.

Cada vez que isso acontecia, eu conversava com o Senhor e seguia tudo o que Ele dizia para fazer. Neste dia fatídico, não foi diferente.

Tudo estava indo tão bem com o rapaz da piscina. Eu o via passar por aqui enquanto eu estava trabalhando pela manhã, mas hoje tudo chegou a um fim embaraçoso. Como mencionei na Lição de vida anterior, eu tinha um casal me visitando, então com toda a preocupação que vem de se ter convidados, e todas as noites acordada até tarde e o desgaste emocional lutando contra aquele ataque emocional, eu estava exausta. Eu tinha almoçado, em seguida, deitei em uma espreguiçadeira e caí em um sono profundo, profundo. De repente, ouvi um estrondo!

Eu imediatamente sentei reta, em choque, meu coração batendo forte. Eu não sabia onde estava, na verdade, pensei que estava dormindo na minha cama! Mas lá estava ele, meu rapaz da piscina, que entrou pela porta de tela e a deixou fechar com um grande estrondo.

Minha inclinação natural foi fugir e meio que me esconder ao ser pega, claramente parecendo atordoada (você conhece aquele olhar bobo quando você está acabando de acordar). Mas desta vez eu O senti me segurando lá, querendo que eu ficasse parada e permitisse que o homem da piscina me visse em meu estado de choque. Quando ele finalmente me notou, ele se desculpou e pediu desculpas por quebrar nosso acordo estando lá à tarde, e então ele saiu rapidamente.

Depois que ele saiu, instintivamente perguntei ao Senhor “Tudo bem, o que você quer que eu faça, Querido”? E imediatamente imaginei uma solução que parecia tão fácil, mas tão pacífica!!! Pensei em simplesmente trancar a porta de tela quando eu saísse para almoçar e destrancá-la quando voltasse! Tão simples, tão pacífico e tão Deus!! Eu também pedi a Ele para me lembrar e claro, uma vez que é a solução e o plano dEle, funcionou perfeitamente!

Por que meu Marido Celestial não me mostrou esse método “pacífico” quando me mudei para cá? Bem, é porque esta é a nossa jornada de vida abundante, e nosso Marido Celestial gosta que façamos a rota cênica!

E você? Existem situações em sua vida em que você poderia praticar, produzindo alguns frutos pacíficos? A única maneira de saber é conversando com Ele sobre isso. Peça a Ele e peça a Ele para lembrá-la quando Ele quiser que você pratique. Viva a sua vida em abundância, querida noiva, banqueteando-se com os frutos pacíficos, sorrindo e rindo do futuro com Ele ao seu lado.