Dêem, e lhes será dado:

 uma boa medida,

 calcada, sacudida e transbordante será dada a vocês.

Pois a medida que usarem

também será usada para medir vocês.

—Lucas 6:38

  

O título para este capítulo em especial não me ocorreu imediatamente. Ao contrário, havia vários títulos que eu gostaria de usar para ele. A mensagem sobre doar tem sofrido tanto abuso que, no fim, isso fez com que este poderoso princípio se tornasse terrivelmente desprezado. O resultado deste abuso, no que diz respeito ao doar, seguido da negligência desta mensagem, têm feito com que a comunidade Cristã não mais se assemelhe aos “filhos de Deus”—ao contrário disso, nós agora nos parecemos com órfãos.

Aqui estão algumas das minhas ideias para o título:

Doar—O Caminho de Saída da Pobreza

Doe Quando Estiver em Necessidade

Como acontece com todos os princípios que aprendemos até aqui, doar é totalmente o oposto daquilo que nos vem naturalmente. Quando estamos em necessidade, doar é simplesmente a última coisa que desejamos fazer. Eu não sou diferente de nenhuma de vocês. Minha carne quer controlar a minha vida exatamente como a sua deseja controlar a sua vida. Contudo, como seguidoras do Senhor (que é o que significa ser uma Cristã), estamos todas nos esforçando para romper com os nossos caminhos carnais e viver a vida abundante, o que significa viver os princípios de Deus através da orientação do Espírito Santo e aplicar a Sua graça em todas as situações difíceis.

Ser uma seguidora significa morrer para a carne e dar um passo de fé, a qual é sempre invisível.

Se você assistiu a todos os vídeos de Erin, talvez você se lembre dela falando sobre viver “não pela vista”. E, assim como eu, você aprendeu que Deus realmente nos coloca em uma situação de necessidade a fim de nos abençoar. É neste momento oportuno de necessidade que nosso destino, ou benção, se apresentam diante de nós e fazemos a escolha. Nossa carne quer recuar, se negar e procurar por uma outra fonte para preencher aquela necessidade em nossa vida. Entretanto, como crentes, é pedido que, em vez disso, caminhemos pela fé muito embora não seja possível ver o que está mais à frente. É a nossa confiança no Senhor que nos leva adiante.

Para aquelas que não assistiram ao vídeo, deixe-me dizer que o Senhor me colocou em uma posição muito, muito ruim. Uma manhã bem cedo eu acessei o meu banco online para imprimir o extrato da minha conta pessoal e da conta da igreja. O saldo me pegou totalmente de surpresa porque não havia restado NADA em nenhuma das duas contas. Durante o decurso do “ano mais difícil da minha vida”, muitos membros da igreja se afastaram após o adultério do meu marido ter sido descoberto: primeiro, foram os membros mais antigos, depois os homens (que eram os nossos maiores doadores) e, por fim, os que ainda permaneciam começaram a enfrentar dificuldades financeiras e então pararam de dizimar e doar para a igreja. Deixe-me dar uma pausa aqui por um momento e compartilhar este único princípio que irá literalmente mudar a sua vida.

Quando parecer que não te sobrou nada, você precisa doar a fim de que possa receber. Se você falhar em doar, você acabará passando necessidade.

“Há quem dê generosamente, e vê aumentar suas riquezas; outros retêm o que deveriam dar, e caem na pobreza. O generoso prosperará; quem dá alívio aos outros, alívio receberá.” (Provérbios 11:24–25).

A Bíblia A Mensagem diz dessa forma: “Quem dá com generosidade ganha cada vez mais, mas quem é avarento acaba perdendo tudo. Quem abençoa os outros é muito abençoado; quem ajuda os outros também recebe ajuda.”

Naquela manhã eu me vi frente a frente com uma ruína absoluta. Durante meses eu vi os membros da nossa igreja atualizarem os seus perfis pessoais (que vêm para o e-mail do nosso escritório) com “sem doação” por muitas e muitas vezes. Além de tudo isso, eu havia me sentido guiada (já que isto estava em meu coração há ANOS) a doar aos nossos potenciais membros da igreja os livros requeridos para lerem gratuitamente online, ao invés de solicitar que eles comprassem na livraria da igreja. Então, por causa disso, nossa livraria colocou estes livros em promoção, e como resultado, muitos dos nossos funcionários passaram a trabalhar só meio período, já que não havia mais trabalho suficiente que justificasse um emprego de tempo integral.

Se eu não estivesse vivendo em uma pista de alta velocidade (como aquelas pistas alemãs de velocidade liberada), eu poderia ter visto que nossas finanças estavam despencando, mas eu havia estado ocupada demais para realmente enxergar o que estava acontecendo—até aquele dia. Aquela manhã foi como um balde de água gelada no meu rosto. O Senhor falou comigo, meses antes, sobre algumas destas mudanças, mas na época eu estava mais do que bem financeiramente. Deus esperou, de propósito, até que eu pudesse ver claramente que estava prestes a cair para então me pedir que doasse.

“No entanto, quando ouviu falar que Lázaro estava doente, ficou mais dois dias onde estava...Ao chegar, Jesus verificou que Lázaro já estava no sepulcro havia quatro dias.” (João 11:6, 17).

Mas o Senhor havia preparado uma benção enorme para mim de maneira que Seu Pai fosse glorificado. Mas para que isto acontecesse, Ele teve que me levar por aquela porta, que é apertada e difícil de encontrar. “Entrem pela porta estreita, pois larga é a porta e amplo o caminho que leva à perdição, e são muitos os que entram por ela. Como é estreita a porta, e apertado o caminho que leva à vida! São poucos os que a encontram.” (Mateus 7:13–14).

O Senhor me disse naquela manhã, logo após eu ter visto que não havia restado dinheiro nenhum, que Ele queria que eu acessasse a nossa loja da igreja online e desse um desconto em todos os livros, vídeos e fitas de áudio, mas que não parasse por aí. Quando isso foi feito, Ele me disse para mudar o código de desconto para membros da igreja para 50%; por anos o desconto que oferecíamos para os membros era de 20%. O resultado disso tudo era que não teríamos lucro nenhum. O preço cobriria apenas o custo da impressão.

Olhando para os fatos, esta iniciativa levaria a nossa igreja a um colapso, mas quais opções eu tinha realmente? O Senhor me ensinou ao longo dos anos a confiar Nele e Nele somente. Não passava mais pela minha cabeça fazer obras ou elaborar um plano diferente, e realmente eu já estava no fundo o suficiente para tentar alguma coisa estúpida. E como se não bastasse tudo isso, Deus colocou em meu coração uma paixão por doar, que brotou diretamente (ou devo dizer “fluiu diretamente”) do Seu coração desejoso de doar para o meu coração. 

Durante o ano anterior, o Senhor havia me doado tanto: amor, compaixão, conforto, segurança, paz, alegria, paciência, bondade e a lista segue sem parar. Como resultado, tudo que eu queria fazer era doar: doar o meu tempo, doar o meu amor transbordante, doar tudo que eu havia recebido gratuitamente! Quantas vezes eu me vi no fim de todos os meus recursos, só para então ver Deus me pedir para doar em meio à minha necessidade, e quando eu fiz—lá estava eu mais uma vez transbordando!

Deixe-me compartilhar apenas alguns exemplos que não incluem doações financeiras, só para que você possa compreender que doar quando se está em necessidade é um princípio a ser seguido, e não uma lei que deve ser obedecida ou sob a qual tenhamos que nos sentir oprimidas.

O primeiro exemplo que o Senhor me trouxe à mente foi durante a minha primeira e longa viagem para me encontrar com os membros da nossa igreja. Eu estava exatamente na metade do caminho (voando para 14 cidades em 16 dias) e estava exausta! Eu não tinha a menor ideia de como iria conseguir completar a viagem e por isso me retirei para o meu quarto, para falar com o Senhor sobre isso. Quando eu estava muito fraca, o Senhor me inspirou a ir no andar de baixo e abençoar minha preciosa anfitriã com uma “transformação” de cabelo e maquiagem. Quando eu queria receber, surgiu a “oportunidade” para que EU doasse.

Naquela noite eu não fui para a cama cedo, como faço rotineiramente, mas deixe-me dizer que, quando acordei, eu estava com mais energia e entusiasmo do que eu sentia quando comecei a minha viagem! Ao invés de reter, eu doei o pouquinho de energia que ainda me restava e o resultado não foi nada menos do que milagroso.

A próxima oportunidade de que me lembrei foi novamente em um momento em que cheguei ao fim da estrada (e ao fim das minhas forças). Aconteceu alguns meses depois do divórcio, quando o fato de ser uma “mãe solteira” novamente estava cobrando o seu preço. Eu havia acabado de assumir a posição do meu EM na nossa igreja (exceto a pregação), para manter o nosso salário como pastor. Assim, além da minha própria posição, que era a de ministrar para milhares de mulheres, eu precisei assumir todas as outras tarefas dele na igreja e também em nossa casa. Além disso, eu comecei a viajar duas semanas por mês para ajudar na recuperação do escândalo do adultério, porque perdemos muita da nossa audiência na televisão e muitos membros também se afastaram. Com tudo isso acontecendo meus filhos ainda estavam tendo dificuldades em lidar com a sua própria perda, então, quando eu estava em casa, eu precisava assumir aquela responsabilidade (confiando na força de Deus, claro), e realizar muitas das tarefas que eles costumavam fazer para mim como, por exemplo, cozinhar.

Naquele dia parecia que a minha força havia desaparecido. Eu estava sentada à mesa do meu EM em nosso escritório em casa imaginando como eu iria dar conta de tudo, quando Deus me deu a “oportunidade” de vencer a minha exaustão doando, para que assim Ele pudesse me abençoar.

Começou com um e-mail do meu irmão que mora no exterior. Ele escreveu para me dizer que “tinha ido em frente e reservado um voo para a minha sobrinha” (de dezesseis anos) para que ela viesse morar conosco por um ano. Eu fiquei lá sentada pasma (porque eu havia escrevido a ele dizendo que ela NÃO poderia vir, e mais tarde acabei descobrindo que havia enviado a mensagem para o endereço de e-mail errado). Um momento depois, entra meu filho e me diz que o amigo dele havia sido expulso de casa e me pergunta se ele poderia vir morar conosco. Isto não só significava apenas outra pessoa em nossa casa—o menino era enorme e comia para valer!

Não se passaram dez minutos e minha filha veio me perguntar o que ela deveria fazer. Parecia que a amiga havia ficado trancada do lado de fora de casa, e a sua mãe estava fora em uma conferência de uma semana, e ela não sabia como ajudá-la.

A essa altura nossa carne quer gritar e sair correndo, mas lá no fundo do nosso espírito, se conseguirmos encontrar aquela quietude em nossos corações, podemos sentir o Senhor nos atraindo de mansinho com o Seu amor, nos pedindo que doemos. A abundância do Seu amor nos “pega” a fim de que possamos abençoar outras pessoas, e não guardar isso para nós mesmas.

 

  • Enquanto não nos virmos frente a frente com o Mar Vermelho as águas não se abrirão para que caminhemos através delas (sem mencionar o afogamento dos nossos inimigos).

 

  • Enquanto não faltar vinho na festa de casamento o primeiro milagre em nossas vidas não será realizado.

 

  • Enquanto não tivermos apenas uma última refeição com nosso único filho um profeta não chegará e nos pedirá que assemos um bolo para ele, e então nossa cozinha se encherá de óleo para pagar nossas dívidas e nos tornar prósperas (leia 1 Reis 17: 8-16). Em vez disso, nossa carne quer comer para alimentar com aquele bolo nosso próprio filho, que está com muita fome e prestes a morrer.

 

Porque eu conhecia a Deus e aos Seus princípios, e também sabia do Seu amor infinito por mim, sem a menor inclinação que levaria a uma abundância de força, eu alegremente concordei com a vinda da minha sobrinha para morar conosco, o rapaz mudou-se para o andar de baixo com os meus filhos e a amiga da minha filha ficou com as meninas no quarto delas no andar de cima. O resultado de tudo isso foi que encontrei uma energia sem limites, fui super recarregada pelo Espírito Santo! Eu fui capaz de assumir mais responsabilidades do que eu já tinha antes e, em vez de lutar com a síndrome do “Coitadinha de mim, o que que eu faço agora?”, eu consegui vencê-la com facilidade. Ao invés de lidar com as dificuldades que eu vinha sentindo, eu estava simplesmente voando sobre tudo aquilo com uma energia ilimitada, com alegria em meu coração, e louvores em meus lábios. Agora tudo que eu conseguia ver era a mão de Deus e Sua provisão me cercando, e não mais aquela necessidade que pairava sobre mim.

E senhoras, não foi só abundância física. Abundância é também onde estou agora financeiramente, não empobrecida como naquela manhã quando verifiquei o nosso saldo do banco. Minutos depois que obedeci e abri a minha casa para os 3 jovens, a oportunidade de sair da dívida literalmente bateu à minha porta. A “carência” em nossas contas no banco terminaram na benção mais incrível que eu já vi na minha vida, mas não antes do Senhor me mostrar um outro lugar onde eu precisava doar em minha necessidade.

Mais tarde naquele mesmo dia, como eu disse, não havia nada em nenhuma das contas bancárias. O Senhor me fez ir buscar uma encomenda de livros, Bíblias em sua maior parte, para a livraria da nossa igreja. Imediatamente após o rapaz colocar todas as caixas no meu carro, o Senhor me disse que Ele desejava que eu doasse tudo, sem cobrar nada, nem mesmo para recuperar o nosso custo. Ele queria que eu semeasse estes livros na vida dos desabrigados dos abrigos locais, e me mostrou o plano inteiro enquanto eu dirigia de volta para a igreja. Todas aquelas “oportunidades” estavam me guiando em direção ao suprimento da minha imensa necessidade financeira, mas não antes do Senhor permitir mais uma “oportunidade” final para que eu doasse. O resultado foi instantâneo—naquela mesma noite eu abri o meu computador e vi um e-mail com uma grande doação foi a maior doação individual que a nossa igreja já havia recebido em todos os tempos!!

Se eu não tivesse obedecido a cada uma das “oportunidades” que o Senhor me apresentou, eu não teria estado aberta para receber a enorme benção que eu e nossa igreja recebemos naquele dia. Eis aqui o princípio para a abundância:

Quanto maior a carência, maior a obediência que será requerida, a qual resultará em uma benção acrescida que irá transbordar—calcada, sacudida e transbordante.

Portanto, se os seus braços estiverem pesados com muitos fardos, carregando incidentes que pertencem a outras pessoas, quando Ele te pedir que doe—seus braços não estarão abertos para receber o que Ele planeja dar a você. 

Tantas mulheres desejam alcançar bênçãos como esta em suas vidas, mas não querem doar nem o mínimo a fim de que possam receber. Comece apenas doando o que você tem quando vir que o Senhor está te doando uma oportunidade de fazer isso.

Um princípio chave que devemos manter em nossas mentes, mas não a ponto de permitir que ele nos aprisione e nos faça ter medo de caminhar corajosamente com o Senhor na área de doar, é que o inimigo, o diabo, também ama se disfarçar para nos tirar do caminho. Quantas vezes eu tenho visto mulheres literalmente “se jogarem do penhasco” somente para se verem em meio à uma bagunça e fazer com que todo mundo testemunhe isso como um deboche da “fé” delas? Deus não nos pede que façamos loucuras (lembre-se o inimigo também tem uma voz), embora para algumas pessoas qualquer coisa que façamos parecerá uma loucura. Então como podemos saber a diferença?

É claro que a chave é conhecer a voz de Deus e isso acontece simplesmente por entrar em Sua presença e permitir que Ele fale com você todas as manhãs e ao longo do dia. Isto não é a mesma coisa que ler a Bíblia—mas a leitura da Sua Palavra é o lugar por onde você deve começar. Conhecer Seus princípios também impedirá que você se desvie porque a Sua Palavra te dá sabedoria e te mostra o que Ele pode vir a te chamar a fazer, e o que Ele te dirá para fazer. E por último, trata-se de apenas se sentar quieta e ouvir aquela voz suave, para que assim você consiga reconhecê-la em meio a todas as outras.

Isto também inclui não perguntar ou dar ouvidos às opiniões de todo mundo sobre o que você deveria fazer. Mesmo se você não “pedir” conselhos, você vai recebê-los se contar a todo mundo (ou mesmo apenas para algumas pessoas ou às vezes até para uma só) o que está acontecendo em sua vida. É aqui que aquele “espírito QUIETO e gentil” precisa ser colocado em prática. Mantenha silêncio quanto ao que está acontecendo em sua vida e fale somente com o Senhor—desligue o seu telefone para que você possa reconhecer a Sua voz acima de qualquer outra.

Em segundo lugar, eu descobri que o inimigo ama me desviar do caminho alimentando a minha carne com “autojustiça”. Ele ama me insuflar para que eu fique imaginando o grande testemunho que poderei compartilhar se eu fizer isto ou fizer aquilo! Se esta é a sua motivação, então significa que você está interessada em se jogar do penhasco somente para fazer papel de tola quando as coisas ficarem piorarem.

Outro motivo errado é quando algumas mulheres fazem o exorbitante para mostrar a alguém, e não ao Senhor, o quanto elas se importam ou estão dispostas a fazer para provar o seu amor—especialmente aos maridos ou exs. Se esta for a sua motivação, então você ainda está sendo idólatra, colocando o seu marido (ou outra pessoa e a opinião ou o amor dela) acima do Senhor.

Na maior parte, fazer o que Deus está te chamando para fazer significa 1)aplicar um dos princípios de Deus, como doar,  2)será algo que ninguém irá te elogiar por fazer, 3)e será um testemunho que você preferiria não compartilhar com a maioria das pessoas que você conhece porque elas “não entenderiam” e provavelmente pensariam que você enlouqueceu.

Uma outra motivação destruidora seria: “Se eu doar $$$ ao RMI meu casamento será restaurado.” Preciosa, Deus não aceita suborno e o RMI nunca pediu dinheiro nem a você e nem a mim. Geralmente quando o Senhor está te chamando para doar (ou obedecer de alguma outra maneira), você não tem em mente uma recompensa em particular. Você está simplesmente determinada a doar quando te é pedido ou obedecer quando te é requerido.

Deixe-me concluir com mais alguns testemunhos, já que Deus disse que nós seremos capazes de vencer o maligno pelo Seu precioso sangue E pela palavra de nosso testemunho (leia Apocalipse 12:11).

O meu primeiro teste financeiro real aconteceu imediatamente após o meu divórcio quando eu, pela primeira vez em 16 anos, fiquei encarregada das finanças da família. Meu marido deixou todas as nossas dívidas e foi inflexível quanto ao fato de que também não pagaria pensão para as crianças. Quando eu vi TODAS as contas, me senti simplesmente oprimida. Então eu busquei o Senhor e perguntei a Ele por onde eu deveria começar. Ele imediatamente me trouxe à mente a penhora do prédio da nossa igreja. Nós, como casal, havíamos penhorado $10,000 para ser pago dentro de dois anos; contudo, restavam menos de dois meses e ainda havia $7,000 para ser pago. O Senhor me disse que Ele queria que eu começasse por ali.

Lembra de como eu disse que eu ainda tenho que melhorar em relação a não compartilhar o que estou fazendo, ou que estou prestes a fazer, com outras pessoas? Bem, não sei nem dizer quantas pessoas tentaram me impedir de fazer o que, realmente, eu não seria capaz de fazer sem a ajuda de Deus. Eu tentava explicar que simplesmente não tinha aquela quantidade de dinheiro. Mas eu sabia que, à medida que eu seguisse em frente com o coração certo, Ele abriria uma porta se este fosse o Seu plano. Deus me mostrou o caminho maravilhosamente e passadas apenas duas horas após eu colocar o cheque de $7,000 dólares na oferta, eu recebi $10,000 dólares de volta (o valor total da penhora)!

Meu testemunho de abertura, de quando eu não tinha nada em nossas contas do banco, e que mais tarde me levou a uma incrível opção de refinanciamento, que se traduziria em nenhuma dívida além do pagamento da casa (até meu carro estava prestes a ser pago), e a um outro cheque que um membro da televisão me escreveu para avisar que estava chegando para o meu ministério para mulheres e que somava quase $15,000.

Lembre-se, isto aconteceu somente após eu ter visto, naquela mesma manhã, que para eu pagar as contas eu ficaria com saldo negativo. Eu vi, dia após dia, as atualizações de “sem doação” nos perfis dos membros da nossa igreja, como vi também a queda nas vendas online dos livros e vídeos, mas em comparação com as promessas de Deus, me pedindo que confiasse Nele, eu fui capaz de obedecer cada vez que Ele me pediu que doasse, mesmo quando eu mesma estava passando por necessidades, o que me capacitou a me tornar mais forte na fé e, no fim, dar glórias a Deus!

“ Sem se enfraquecer na fé, reconheceu que o seu corpo já estava sem vitalidade, pois já contava cerca de cem anos de idade, e que também o ventre de Sara já estava sem vigor. Mesmo assim não duvidou nem foi incrédulo em relação à promessa de Deus, mas foi fortalecido em sua fé e deu glória a Deus, estando plenamente convencido de que ele era poderoso para cumprir o que havia prometido.” (Romanos 4:19–21).

Deixe-me concluir afirmando que eu não mereço um tapinha nas costas, “Oh vós de pouca fé!”, porque com a fé de um grão de mostarda eu vi a montanha da carência financeira desmoronar no oceano.

Querida leitora, semeie essa semente de mostarda da fé conforme o Senhor te guiar e fique atenta para as “oportunidades” de doar quando você estiver enfrentando uma “necessidade”, sabendo que, preciosa, Deus está para abrir o Mar Vermelho atrás de você—então faça as malas porque você está prestes a caminhar pela terra seca enquanto as águas engolfam e afagam os seus inimigos!

Diário