Ao buscar sabedoria junto ao Senhor para saber sobre qual História de Salvação eu deveria começar a escrever hoje (fiz uma lista inteira com mais de doze histórias só da minha família), o que me saltou à vista, ao reler as primeiras duas que publiquei, foi a questão da criação católica e as dificuldades e desafios únicos que ela frequentemente representa para que se conheça o Senhor pessoalmente.

Ao longo dos anos eu vim a compreender que nenhum de nós precisa abandonar a sua  “fé” ou deixar uma determinada denominação religiosa. Desde quando eu mesma fui chamada a parar de ir à igreja, a fim de me tornar a noiva do Senhor, parei de focar em qual igreja as pessoas frequentam. Isso porque eu tenho visto que existem verdadeiros crentes frequentando a igreja católica, assim como existem muitas pessoas dentro das igrejas cristãs que, de maneira alguma, conhecem o Senhor pessoalmente.

Faz muito tempo que abandonei a tradição das igrejas em enfatizar denominações ou as diferentes doutrinas e as diferenças existentes, porque TUDO que importa é que cada pessoa conheça o Senhor pessoalmente! Uma vez que esse relacionamento esteja assegurado, então eu vejo que Ele mostra a cada um, qual é o plano que Ele tem para a vida deles com Ele!

A História de Salvação que estou animada em compartilhar esta semana é a de uma das minhas irmãs mais velhas. Eu não estou certa de quão fiel ela era à sua criação católica e à frequência à missa, mas eu sei que quando a nossa mãe faleceu, ela encontrou conforto na realização de muitos rituais religiosos.

Felizmente, devido ao que me aconteceu na ocasião do falecimento da minha mãe, não pude comparecer ao memorial que ela organizou para a nossa família. Não estou certa de que esses rituais puderam trazer muito conforto ou cura para a minha irmã ou para a família dela, mas se eu tivesse que adivinhar, diria que foi  mais como um bandaid ou um remendo, cobrindo a dor, mas não curando de verdade. O que me faz pensar assim é porque vi como minha irmã se tornou uma pessoa irada e cruel após a morte de nossa mãe, quando ela ficou cuidando da nossa irmã mais velha que tem problemas mentais.

A dor que é encoberta frequentemente resulta em ira. E a perda da nossa mãe não foi a única dor que minha irmã encobriu, na adolescência ela deu um bebê para a adoção. Então, era apenas uma questão de tempo até que minha irmã começasse a procurar alívio para a sua dor e paz para o seu coração, os quais, ela viu, eu tinha em abundância.

Por todas estas semanas eu tenho lembrado a vocês do que é dito em 2 Coríntios 3:2, KJV “Vós mesmos sois a nossa carta, escrita em nosso coração, conhecida e lida por todos.” * O que significa que dar testemunho é ser uma epístola ou um livro aberto a ser lido por todos aqueles que olham para as nossas vidas. 

E foi assim que a minha irmã me procurou, mais precisamente, ela me ligou para conversar. Durante a conversa foi um pouquinho difícil de compreender o que ela estava pedindo, mas assim que entendi, de certa forma, foi exatamente como a Bíblia nos mostra, quando as pessoas realmente vem até você!

Minha irmã não perguntou, “O que eu devo fazer para ser salva?” Em vez disso ela começou dizendo que observava o quão abençoada a minha vida sempre fora e que ela gostaria de saber o PORQUÊ. E quando eu a corrigi e fiz com que ela se lembrasse de que eu passei por MUITAS coisas realmente difíceis e algumas até mesmo terríveis, ela me disse, “Sim, eu sei! Mas no fim você sempre termina sendo abençoada. Por isso eu quero o que você tem e quero saber ‘Como eu faço para conseguir? Como eu faço para ter a sua vida?’”

Então, para começar, eu primeiro expliquei que não era “O que” mas sim “Quem” eu tinha e comecei a compartilhar o meu testemunho (que vocês já leram em um Encorajamento prévio). E foi então que ela me assegurou de que nunca tinha ouvido essa explicação quando fez a Primeira Comunhão e que ninguém antes tinha explicado para ela nenhuma destas coisas importantes. E ela me disse, “Bom, eu quero isso. Eu quero Ele e quero ter o Senhor da mesma forma que você. Como eu faço isso?”

Se a essa altura eu tivesse confiado nas muitas vezes em que fui treinada para “levar as pessoas ao Senhor” eu poderia ter feito ela repetir as palavras comigo. Ou eu poderia ter lido ou citado os versículos da * “Estrada para a Salvação em Romanos”*. Todavia, quando eu tive o privilégio de servir como uma oficiante do altar, eu ficava na frente da nossa imensa igreja e cumprimentava as mulheres que vinham quando havia uma **chamada ao altar (nós saíamos juntas e íamos para uma pequena sala para discutirmos mais a fundo o que elas vieram receber), isso me ajudou a aprender como tudo poderia ser simples. E de forma alguma intimidante.

Durante os anos em que trabalhei com este ministério dentro da nossa imensa igreja, descobri que eu quase sempre era a última a deixar a sala do altar. E a razão disso era porque eu queria dar a cada mulher um tempo para que elas mesmas falassem com Ele. Eu começava explicando que “oração” significava  apenas falar com Ele, que era muito melhor apenas falar com Ele do que repetir uma oração formal. Então, quase sempre havia longos períodos de silêncio enquanto eu esperava e continuava encorajando as mulheres a simplesmente falarem com Ele de coração.

Além disso, eu sempre explicava que, como todos os relacionamentos íntimos, elas precisavam ficar sozinhas e passar tempo junto com Ele. Precisavam passar tempo falando com Ele e que Ele estaria lá vinte e quatro horas por dia, sete dias por semana. Depois eu explicava a profunda segurança da paz que as envolveria, e mais importante, daquele dia em diante, elas pareceriam e se sentiriam diferentes: não apenas para si mesmas, mas os outros também notariam o quanto elas haviam mudado.

Foi por isso que eu senti que precisava fazer as coisas de uma maneira diferente do que eu acreditava ou, na maioria das vezes, “levava as pessoas ao Senhor” quando homens e mulheres vinham durante o **chamado ao altar. Eu queria ter certeza de que as pessoas não apenas repetissem uma oração e então acreditassem que já estavam a caminho do céu. Porque, a menos que haja um tempo em sua vida em que você passe por uma mudança tão radical que basicamente se torne uma outra pessoa, é muito provável que você nunca O encontrou ou O conheceu pessoalmente. Neste versículo diz que mesmo muitos grandes líderes religiosos irão falhar. 

“Quando aquele dia chegar, muitas pessoas vão me dizer: ‘Senhor, Senhor, pelo poder do seu nome anunciamos a mensagem de Deus e pelo seu nome expulsamos demônios e fizemos muitos milagres!’ Então eu direi claramente a essas pessoas: ‘Eu nunca conheci vocês! Afastem-se de mim, vocês que só fazem o mal!’”  Mateus 7:22–23.

Uma vez que você conheça o Senhor e inicie um relacionamento real com Ele como o Amado de sua alma, você não poderá impedir a mudança; portanto, você não mais “pratica” a iniquidade porque Ele te transformou. Também seria melhor que você nunca “tentasse” mudar. A mudança vem naturalmente sem esforço uma vez que você comece a permanecer próxima ao Senhor após conhecê-LO pessoalmente. 🙂

Então de volta à minha irmã. Eu compartilhei basicamente tudo isso com ela. Eu não pedi que ela orasse ou falasse com o Senhor pelo telefone, em vez disso, eu disse a ela que fosse para um lugar tranquilo quando terminássemos a ligação, e mais tarde ela me ligou para dizer que tinha feito isso. 🙂

Contudo, foram as mudanças contínuas em minha irmã que provaram que ela realmente O tinha conhecido pessoalmente. Eu não sei dizer se ela ainda frequenta a igreja católica, porque, para mim, isso não importa. Ele não está preocupado com o banco de qual igreja você se senta, contanto que você se sente com Ele frequentemente. E você não poderá impedir a vontade de se sentar tranquilamente com Ele porque o sentimento que se experimenta ao fazer isso simplesmente não pode ser descrito!!

Mesmo agora minha família está maravilhada com as mudanças e a cura que aconteceram na vida da minha irmã!! Uma delas que me deixou muito chocada e cheia de alegria foi uma fotografia que eu vi da minha irmã maquiando uma noiva. A jovem noiva era a filha da om, que agora tinha crescido e estava se casando! Se vocês conhecessem minha irmã saberiam que isso foi quase que um milagre, era como vê-la andando sobre as águas. 🙂

Então, mais uma vez, as pessoas estão olhando para a sua vida. Elas irão ver como você vive, como você age e especialmente como você reage quando o inferno vem contra você. Ainda assim, a única maneira de a sua família e o mundo ao seu redor verem isso, e uma maneira de você aumentar o volume do audiobook da sua vida, é passar muito tempo com Ele. Dessa forma quando as provações e tribulações e as tempestades atingirem a sua vida, você não somente não sairá delas cheirando a fumaça, mas brilhará ainda mais para que o seu mundo te veja. 

Estrada para a Salvação em Romanos são versículos do livro de Romanos que explicam as razões e a maneira como a salvação se realiza.

** Uma chamada ao altar normalmente acontece no fim do culto quando o pregador explica a importância de se ser salvo e de se aceitar o Seu dom da Vida Eterna.

 

Diário