“Meu amado é meu e eu sou Dele...

Quando encontrei aquele a quem o meu coração ama

Eu o segurei e não o deixei ir...

Estou doente de amor.”

—Cantares de Salomão 3:2–4; 5:8

 

Quando iniciei este capítulo, atipicamente, graças ao Seu amor, eu tive dificuldades em escrevê-lo. Eu sabia qual direção tomaríamos, e sabia também que era o medo que estava me fazendo hesitar. Embora nos tenha sido dito 365 vezes na Bíblia para nunca temermos nada, e como eu já escrevi antes, especialmente não temer o que as outras pessoas possam pensar, eu ainda assim hesitei e adiei a escrita deste capítulo. Minha preocupação era por que eu sabia que o que eu tinha para dizer teria o potencial de mexer com emoções amedrontadoras em algumas de vocês que estão atualmente buscando a restauração dos seus casamentos, e isso poderia ser potencialmente usado pelo inimigo para desencorajá-las.

Ao mesmo tempo, o que estou prestes a compartilhar é tão excitante visto da minha perspectiva, que eu literalmente gostaria de gritar dos telhados, contar ao mundo inteiro. Então, não importa como este capítulo comece a se desdobrar, meu desejo ao escrevê-lo é ajudar você a compreender que o que eu tinha em mente é o seu coração. A minha esperança é que ele não irá, de maneira alguma, fazer com que você se sinta desencorajada ou preocupada, ou que nenhuma outra emoção negativa te sobrevenha.

Ele poderia afetá-la negativamente porque, muitas vezes, nós vemos as jornadas que outras pessoas são chamadas a caminhar e não conseguimos deixar de nos perguntar, “Como isso vai me atingir? Ele me fará passar por isso também?” A verdade é que, na maior parte das vezes, a resposta é NÃO e Ele não irá chamá-la para seguir o mesmo curso que Ele me conduziu (e outras também) a tomar. Então, todas as vezes em que você começar a ficar preocupada, pare e deixe que o Seu amor e a Sua certeza acalmem os seus medos porque simplesmente não há como o plano Dele para o seu futuro não ter sido projetado para ser brilhante, excitante e banhado pelo Seu amor. Lembre-se, Ele morreu para dar a você a sua Vida Abundante, certo?!

Então, para começar, por favor, permaneça comigo mais um pouquinho porque eu irei mudar de direção antes de iniciarmos. Recentemente eu estava lendo um livro de uma autora e me vi totalmente perdida com quase metade do que ela compartilhou. Ela escreveu tendo em mente os seus “seguidores habituais”, e eu não sou um deles—então eu não tinha a menor ideia do que ela estava falando. Por isto eu preciso começar este capítulo explicando rapidamente a minha situação pessoal, para que aquelas de vocês que estão conhecendo agora os meus livros, ou o ministério RMI de Erin, não fiquem confusas com o que vou compartilhar.

Uma das partes mais difíceis de passar pela situação de ser deixada pelo meu marido, e de ele se divorciar de mim pela segunda vez, teve a ver com o fato de que meu ministério pessoal e minha ajuda ao RMI começaram a partir da restauração do meu casamento. Após anos buscando a Deus para que Ele restaurasse o meu casamento, Ele respondeu às minhas orações, quando confiei a restauração a Ele, enquanto aprendia e seguia diligentemente os princípios da restauração que encontrei através do RMI, os quais eu confirmei prontamente ao procurá-los em minha própria Bíblia. Como resultado, logo após o meu casamento ter sido restaurado, as mulheres da minha igreja me pediram ajuda e orientação, o que me levou a ter um ministério dentro da minha própria igreja. E mais tarde isso também abriu as portas para que eu pregasse ao redor do mundo—levando esperanças para mulheres que estavam enfrentando crises conjugais e dores insuportáveis e que também desejavam a restauração dos seus casamentos.

“O SENHOR estendeu a mão, tocou a minha boca e disse-me: ‘Agora ponho em sua boca as Minhas palavras. Veja! Eu hoje dou a você autoridade sobre nações e reinos, para arrancar, despedaçar, arruinar e destruir; para edificar e para plantar". (Jeremias 1:9–10).

Então, quando meu marido me deixou mais uma vez e se divorciou de mim catorze anos após a nossa restauração (como já mencionei antes, ele era um dos pastores da igreja em que eu ministrava), muitas mulheres abandonaram a nossa irmandade o mais rápido que puderam, tão rápido como se foge de um navio que esteja afundando—mas quem pode culpá-las? Aquelas que permaneceram ficaram pasmas, chocadas e abaladas porque não conseguiam deixar de pensar em seus próprios casamentos e estavam temerosas de que a sua restauração também não fosse “durar”. Surpreendentemente, muitas esperavam que eu as encorajasse e as apoiasse durante um tempo em minha própria vida em que eu estava simplesmente sobrevivendo. E isso também me deixou um pouco desnorteada porque eu não tinha a menor ideia do que me aguardava realmente, ou o que aconteceria com o meu ministério, ou com os meus filhos, ou com minhas finanças ou com o meu futuro.

Por mais estranho que pareça, foi aí que Ele começou a abrir as portas para que eu começasse a viajar (na verdade, três semanas após o meu divórcio ter sido finalizado). Eu recebi convites de várias igrejas dizendo que eles tinham muitas mulheres se questionando a respeito de como o que me aconteceu mudaria as suas próprias restaurações. E, uma das perguntas mais frequentes tinha a ver com questões relativas à futura “restauração do meu casamento”—como e quando aconteceria “desta vez”. O que eu aprendi, ao passar por este segundo abandono por parte do meu marido, (você compreenderá melhor ao ler o meu livro Enfrentando o Divórcio Novamente), foi que uma crise desta magnitude tem uma maneira incrível de transformar a sua vítima. Ela, na verdade, não apenas me levou para um grau de intimidade que eu havia antes apenas sonhado que teria com o Senhor; mas foi uma intimidade mais profunda do que eu pensei que existisse ou que eu houvesse remotamente ouvido alguém até mesmo compartilhar a respeito, algo que eu nem havia ouvido canções a respeito.

Este novo relacionamento fortalecido, eu logo descobri, se tornou o principal foco da minha vida. Eu não estava mais olhando para o meu futuro, ou para qualquer outro detalhe da minha vida, e certamente eu não estava procurando nenhum tipo de restauração de casamento. Maravilhosamente minha atenção se voltou somente para Aquele que eu descobri que me amava além da imaginação. Quando isso aconteceu, eu me dei conta de que estava desesperada para me agarrar à Sua ternura em relação a mim acontecesse o que acontecesse. O desespero, na verdade, começou a se tornar uma obsessão, especialmente quando eu sentia que ela estava sendo ameaçada. Toda vez que eu recebia um email ou alguém me perguntava, “Michele, eu estou animada para ver como acontecerá a sua próxima restauração! Deus te disse como será?”, sempre que alguém me perguntava sobre a minha futura restauração com meu ex-marido, eu me via cavando ainda mais fundo no coração do meu Amado para que ninguém tentasse me tomar aquilo que eu havia encontrado—ELE e o Seu amor. Amor no qual eu estava me banhando, todos os dias, e especialmente descansando nele durante a noite.

Durante estes momentos em que eu me sentia ameaçada, quando eu pedia a Ele que nunca me deixasse ir, Ele muitas vezes me levava a ler, “Tanto a mulher não casada como a virgem preocupam-se com as coisas do Senhor, para serem santas no corpo e no espírito. Mas a casada preocupa-se com as coisas deste mundo, em como agradar seu marido. Estou dizendo isso para o próprio bem de vocês; não para lhes impor restrições, mas para que vocês possam viver de maneira correta, em plena consagração ao Senhor... Em meu parecer, ela será mais feliz se permanecer como está; e penso que também tenho o Espírito de Deus.” (1 Coríntios 7: 34–40).

No princípio, quando eu respondia qualquer pergunta em relação à minha próxima ou segunda restauração, eu me via basicamente como que respondendo no automático ou meio que em meio a um torpor. A minha dificuldade era em relação ao meu ministério. Há anos eu vinha trabalhando com Erin para ajudar mulheres desesperadas (como eu havia estado um dia) a terem os seus casamentos restaurados, então, claro, naquela época, este era o principal e único foco do meu ministério.

Por isso, com a reviravolta dos eventos em minha vida, eu logo soube que poderia certamente perder a minha posição no RMI e também a irmandade toda que eu havia estabelecido em minha igreja, junto com qualquer outro compromisso de falar em conferências (e isso significaria perder toda e qualquer uma das minhas rendas que já estavam desaparecendo debaixo dos meus pés). Mas eu senti que precisava ser completamente transparente e compartilhar meus verdadeiros sentimentos—eu não estava mais em busca de restauração e, de fato, eu não desejava mais isso.

“Meu amado é meu e eu sou Dele... Quando encontrei aquele a quem o meu coração ama eu o segurei e não o deixei ir... Estou doente de amor.” (Cantares de Salomão 3:2–4; 5:8).

Na época em que isto estava acontecendo, este conceito nunca havia nem sido mencionado dentro do ministério, mas, felizmente, hoje uma afirmação como essa (de não querer mais a restauração do meu casamento) já não é mais tão chocante como foi no passado. Infelizmente, já que eu fui a primeira a dar voz a tal heresia, vi que muitas mulheres começaram a me dar as costas. O novo foco do meu ministério estava além do que elas poderiam suportar e, lamentavelmente, elas começaram a acreditar erroneamente que eu não acreditava mais em restauração de casamento, já que eu mesma não estava em busca disto.

Meu dilema chegou a um ponto em que, uma manhã cedo enquanto eu ainda estava na cama, falei com o Senhor que eu obedeceria e faria qualquer coisa que Ele me pedisse, mas... eu não restauraria meu casamento com meu ex-marido porque eu nunca O deixaria! Eu cobri minha cabeça com as cobertas, e dentro de segundos comecei a chorar pensando em como eu deveria ter magoado o meu Marido com minha terrível atitude. Em lágrimas, soluçando, eu perguntei se Ele estava desapontado comigo. O que eu ouvi me surpreendeu, e eu acredito que irá te surpreender também. Ele disse que aquilo não O havia entristecido de maneira alguma, ao contrário, que havia O abençoado e tocado o Seu coração!!

Eu fiquei perplexa, e Ele continuou me lembrando de como Josué havia se rebelado contra o mandamento de permanecer longe do Monte Sinai (já que qualquer um que se aproximasse daquele lugar seria morto), quando Moisés foi encontrá-Lo face a face. Josué queria e precisava de mais de Deus—não importava o que aquilo fosse lhe custar. Mas, mais tarde, você se lembra de que foi Josué que assumiu a liderança quando a ira de Moisés fez com que ele não entrasse na Terra Prometida? Então o que ele fez, indo contra o mandamento de Deus, foi recompensado.

Em seguida, Ele me lembrou da recusa de Rute diante da insistência de Naomi para que ela voltasse para o seu próprio povo. Rute apelou, disse que não, que ela permaneceria com sua sogra—e foi então que Deus a abençoou e ela se tornou a esposa de Boaz—sem mencionar que ela se tornou parte da linhagem de Jesus!

Depois o Senhor me lembrou de Eliseu, que também se recusou cada vez que Elias tentou fazer com que ele ficasse para trás. Deus o abençoou mais tarde como vemos na Bíblia; foi Eliseu quem teve uma unção maior, muito maior do que Elias jamais teve.

Parece que Deus se agrada de uma lealdade eterna, da devoção e de um tipo de amor que se recusa a deixar a Sua presença.  

Muito embora eu me sentisse bem melhor, eu ainda me via ansiosa e temerosa de que o Senhor algum dia me pedisse para restaurar o meu casamento com o meu ex-marido, possivelmente para a Sua glória. Então, em um dia fatídico, na África do Sul, minha querida, minha doce anfitriã me perguntou se ela poderia me fazer uma pergunta pessoal. Quando ela fez, era basicamente o mesmo tipo de pergunta que parecia estar na mente de todo mundo, “Você aceitaria o seu marido de volta?” Eu respondi a ela da mesma maneira que eu já havia feito inúmeras vezes antes:

“Não importa o que o Senhor me peça para fazer, eu farei... não importa o que for.”

Naquela noite, deitada na cama, eu fiz algo que pareceu tão simples, mas ainda assim eu nunca havia pensado a respeito até agora. Eu perguntei ao Senhor, “Querido, quando alguém me fizer essa pergunta, como Você quer que eu responda?”

O que eu ouvi  Ele dizer me deixou perplexa; Ele me disse, “Simplesmente diga a eles que você não pode.”

Pelas próximas semanas muitos versos bíblicos começaram a passar pela minha mente enquanto eu tentava desesperadamente fazer sentido do que Ele havia me dito. O que Ele quis dizer quando me falou, “... você não pode”?

Sem nenhum verso ou princípio vindo à mente, eu acordei ansiosa para começar a procurar na minha Bíblia para encontrar passagens que me ajudassem a compreender. Mas naquela manhã eu estava indo para o Quênia e não estava com a minha Bíblia favorita. Quando comecei a viajar extensivamente, parei de levá-la comigo porque ela ficou um pouquinho danificada em uma viagem, então enquanto viajo, eu conto com a Bíblia do meu laptop que acesso online. (Isto foi antes de termos o luxo de poder ler a Bíblia em um aplicativo no celular e internet em qualquer lugar do mundo onde você esteja como temos agora.)

Olhando para trás, agora é quase para se rir, porque Ele falou comigo naquela noite e eu logo embarquei com pressa no meu voo para o Quênia, e este foi um país onde era quase que impossível de se ter acesso à internet. Onde eu me hospedei não tinha internet e havia apenas um café com acesso à rede onde era possível comprar alguns minutos, os quais eu usei para me conectar com os meus filhos.  Por que Ele havia orquestrado de me dizer aquilo sem que eu tivesse como pesquisar? Porque o Senhor queria apenas que eu permanecesse quieta e O buscasse; para me dar tempo de simplesmente me sentar em silêncio e ouvir o que Ele mesmo queria me dizer.

O que eu ouvi você lerá no próximo capítulo. Mas assim como o Senhor me desconectou para que eu não buscasse em lugar algum, Ele me pediu para que eu dê a você também tempo para apenas se sentar tranquilamente e deixar que Ele fale com você. Não apenas pare por alguns minutos antes de ler o próximo capítulo, em vez disso, tire alguns dias, ou mais, para permitir que o Senhor fale com você a respeito do que Ele me disse e do que Ele vai me levar a compartilhar. Eu acredito que Ele está prestes a abrir o seu coração para permitir que você comece a viver a vida abundante dos seus sonhos!

Lembre-se, “Vocês sabem muito bem que Deus pode fazer qualquer coisa, muito mais do que poderiam imaginar ou pedir nos seus sonhos.” (Efésios 3:20 A Mensagem). “Contudo, o SENHOR espera o momento de ser bondoso com vocês; ele ainda se levantará para mostrar-lhes compaixão. Pois o Senhor é Deus de justiça. Como são felizes todos os que nele esperam!” (Isaías 30:18). 

Diário