“Porque temi ao povo,

e dei ouvidos à sua voz.”

—1 Samuel 15:24

 

Existe alguém aqui que nunca ficou abalada com o que outras pessoas nos disseram? Eu duvido que qualquer uma de nós esteja tão bem estabelecida, e próxima o suficiente do Senhor, que o que nos dizem, ou o que falam a nosso respeito, não tenha efeito sobre a maneira como nos sentimos ou o que acabamos fazendo em consequência das opiniões das outras pessoas.

Pode ser que você tenha uma mãe ou um pai, um chefe ou marido, ou até mesmo um ex-chefe ou ex-marido, cujas palavras continuamente bombardeiam sua mente tirando o sossego da sua alma. Por alguma razão desconhecida, nós automaticamente abraçamos as palavras que nos magoam e escolhemos acreditar nelas—mesmo se a pessoa mais tarde vier se retratar conosco pelo que havia dito. As pessoas muitas vezes dizem palavras ácidas quando estão machucadas ou frustradas. Infelizmente, por acreditarmos que elas queriam dizer aquilo mesmo, nós escolhemos nos agarrar ao que inevitavelmente irá nos pesar e roubar a nossa alegria. Qual seria o remédio?

Feridas que Inflamam

Anos atrás eu estava em meio a uma batalha espiritual que havia se estabelecido profundamente dentro do meu casamento. Meu marido (na época) estava tendo dificuldades (como ele sempre teve) com a sua autoestima. Quando alguém que você conhece ou ama luta contra este problema de não se sentir digno, geralmente eles remediam a situação colocando você (e outras pessoas) para baixo descaradamente, a fim de se sentirem melhor a respeito de si mesmos.

Pelo que pareceu ser a enésima vez, meu marido se sentou comigo por quase uma hora para me acusar de não estar seguindo o livro através do qual eu estava ensinando, Uma Mulher Sábia, e me dizendo o que o grupo de mulheres a quem eu ensinava pensariam se realmente me conhecessem. Depois desta milésima vez, eu finalmente levei o que ele me dissera ao Senhor e perguntei a Ele se aquilo era verdade. Uau, como eu estava errada. O que eu ouvi foi algo totalmente diferente e que literalmente mudou a minha vida. Isso me ajudou a silenciar as palavras que normalmente ficariam se repetindo sem cessar em minha mente, me fazendo duvidar se eu realmente deveria estar ministrando para outras mulheres.

Sabe, minha querida, ouvir a verdade sempre silencia as mentiras. É por isso que temos que levar qualquer coisa que ouvirmos (especialmente um relatório ruim sobre  nós mesmas) para o Senhor e conversar com Ele a respeito—e não esperar até que um dano imensurável tenha sido causado, mas levarmos na mesma hora que ouvirmos, imediatamente. A verdade é que nós sabemos que a raiz dessas palavras vem do inimigo que tornou sua a missão de nos roubar, matar e destruir—então nos fazer sentir indignas e não merecedoras está dentro das suas especialidades, certo? Para isso ele usa aqueles que já estão feridos e escravizados, fazendo com que espalhem as palavras cruéis e incisivas com que ele continuamente os alimenta, e nós então damos ouvidos—escolhemos acreditar nestas mentiras como se fossem verdades. “Não sabem que, quando vocês se oferecem a alguém para lhe obedecer como escravos, tornam-se escravos daquele a quem obedecem: escravos do pecado que leva à morte, ou da obediência que leva à justiça?” (Romanos 6:16).

Mas por que continuamos a nos prender nesta teia de destruição quando nosso Amado está ansiando para ser gracioso conosco? E também porque a maior parte daquilo que é dito, e que nos machuca, está enraizado nas feridas profundas desta outra pessoa.

O que o Senhor fez naquele dia foi tão precioso, foi algo que jamais irei esquecer. Ele me perguntou se eu seguia os capítulos, um por um, começando com o último do manual Uma Mulher Sábia. Ele me perguntou se eu seguia o que o livro dizia sobre ensinar os meus próprios filhos. Eu tive que responder timidamente que “Sim.” A próxima pergunta foi se eu confiava ou não no Senhor em relação à minha fertilidade, e Ele me lembrou de que eu havia corrido risco de morte, duas vezes, por não seguir os médicos (que queriam correr e fazer uma cirurgia de esterilização quando tive hemorragia). Eu respondi, “Sim” mais uma vez. Ele continuou a me perguntar sobre cada capítulo, um por um, até que Ele me perguntou se Ele era o meu Primeiro Amor (capítulo 2). Claro que fiquei emocionada ao dizer, “Oh, Sim!!” Então, por fim, Ele me perguntou, “Onde a sua vida (e o seu lar) estão construídos, Michele?” Eu tive que responder, “Sobre Ti somente! Minha Rocha.”

Querida noiva, desde o momento em que ouvi a verdade, naquele instante, todas as horríveis vozes de condenação em minha mente foram silenciadas. Sim, as acusações na verdade continuaram, mas apenas por um curto período, e eu acredito que isso foi porque elas não mais me afetavam ou me perturbavam. De fato, em vez de me sentir mal ou envergonhada, quando meu marido me fazia sentar com ele para ouvi-lo, eu sentia somente compaixão. Que coisa horrível uma pessoa sentir a necessidade de diminuir a outra por se sentir tão mal a respeito de si mesma.

Olhando para trás, tudo isso não me surpreende tanto porque, naquela época, estávamos próximos do fim do nosso casamento e eu, claro, não sabia que ele estava profundamente mergulhado em adultério. Então, como ele era pastor, tenho certeza de que o inimigo o estava bombardeando com todo tipo de condenação e vergonha—o rasgando ao meio. Infelizmente, como acontece na igreja em tantos lugares, ele nunca foi ensinado a levar estas emoções “negativas” ao Senhor, perguntando a Ele qual era a verdade. Se ele tivesse feito isso, talvez tivesse sido convencido do seu pecado, e ao mesmo tempo, sentido o Seu tremendo amor. Eu acredito que isso é o que pode resgatar qualquer um de nós do mais profundo dos pecados e curar as nossas feridas, o Seu amor.

Epidemia

Querida noiva, eu sei que não sou a única a conviver com essas vozes negativas. Na semana passada mesmo eu tive o privilégio de passar algumas horas com uma membro do meu amado grupo Mulher Sábia e que também é uma das líderes da nossa igreja (e que já trabalhou sob a minha direção). Ela me disse que enquanto eu ainda estava trabalhando na igreja, o inimigo bombardeava a sua mente, dizendo a ela que se eu soubesse quem ela era de verdade, eu conversaria com nosso pastor sênior e sugeriria que ele pedisse a ela que se afastasse do seu cargo. Uau, parece que esta é uma tática que o inimigo ama usar—provavelmente porque funciona tão bem!!

E então, logo depois eu recebi este mesmo tipo de email de duas outras líderes da nossa igreja—me dizendo que se eu realmente as conhecesse como elas são eu não desejaria me associar a elas. Fiquei perplexa todas as vezes que ouvi isso. Logo em seguida Ele me mostrou que não são somente as mulheres daqui, mas que o mesmo acontece no mundo inteiro. Dentro de poucos minutos após a minha chegada na África, enquanto saíamos do aeroporto, uma das minhas mais antigas e queridas amiga (que também é uma líder do RMI e trabalha com Erin), se virou para mim, deu um suspiro, e reuniu toda a sua coragem para confessar, “como ela realmente era de verdade”. Eu ouvi, sabendo que esta confissão vinha sendo guardada há anos. E quando ela terminou, tudo que eu pude fazer foi me inclinar para abraçá-la e dizer a ela que eu também estava lutando contra estas mesmas coisas.

Querida noiva, a verdade é que todas nós lutamos com as mesmas coisas; não é isso que a Bíblia diz? “Não sobreveio a vocês tentação que não fosse comum [a todas as mulheres]. E Deus é fiel; ele não permitirá que vocês sejam tentados além do que podem suportar. Mas, quando forem tentados, ele lhes providenciará um escape, para que o possam suportar.” (1 Coríntios 10:13).

Então, para impedir esse ataque de palavras incisivas que se tornaram tão comuns, nós também precisamos ter em mente este verso—o qual realmente me ajudou a discernir se eu deveria ignorar alguma coisa ou levá-la a sério. “Finalmente, irmãos, tudo o que for verdadeiro, tudo o que for nobre, tudo o que for correto, tudo o que for puro, tudo o que for amável, tudo o que for de boa fama, se houver algo de excelente ou digno de louvor, pensem nessas coisas.” (Filipenses 4:8).

Isto significa que somente SE o que for dito for: nobre, correto, puro, amável será verdadeiro (isto quer dizer que devemos sempre nos lembrar de levar tudo a Ele para sabermos se é verdade) e também precisa ser alguma coisa pela qual você deseje louvar a Deus. E se não for tudo isso, então não permita que essas palavras entrem em seu coração porque, seja o que for que estejam te dizendo, não está vindo Dele.

Use cada palavra cruel para o bem, dando a si mesma a oportunidade de passar tempos mais profundos com Ele. Simplesmente lembre-se de, torne um hábito, levar todas as perguntas que você tenha sobre qualquer assunto, não importa o que seja, para o Senhor.  Peça a Ele que te mostre o que Ele pensa a respeito. E em seguida sente-se em silêncio para ouvir, e sinta-se inundada pelo Seu amor, para que você possa  se voltar e derramá-lo sobre todos à sua volta.

Diário