A inspiração para a História de Salvação desta semana me veio quando o Senhor me lembrou da minha querida amiga Mara, uma jovem mulher a quem eu pedi para que fosse para casa e falasse com o Senhor sobre a sua salvação quando estivesse sozinha, como mencionei na História de Salvação de Monica. Em vez de pedir as pessoas que “repitam comigo”, eu sempre acreditei que é importante que a pessoa fale com Ele diretamente. Além disso, eu sou cuidadosa e procuro ter a certeza de estar ouvindo o Senhor durante todo o processo, que é Quem está me guiando e falando através de mim. E foi assim que aconteceu no caso de Mara. 

Em vez de fazê-la orar comigo enquanto conversávamos, eu pedi que ela fosse para casa, entrasse no seu enorme closet e começasse a falar com Ele, e então ouvisse o Senhor e tudo em sua vida mudaria. A prova de que alguém O encontrou face a face é QUANDO você vê a pessoa novamente e percebe que o seu rosto está iluminado, que ela se tornou uma pessoa completamente NOVA, claramente Nascida de Novo, e foi exatamente isso que aconteceu com Mara. 

Pensando bem, eu não consigo me lembrar da primeira vez que a encontrei. Ela ficava no parque temático da família e, porque o Senhor abençoou a nossa família com a produção de comerciais por um período de três dias, nós a víamos muitas vezes até que nos tornamos amigas. Eu me lembro do primeiro dia que fui à casa dela, que em nada se parecia com a mansão em que eu esperava que uma “herdeira” morasse. Ao contrário, era uma casa muito modesta, mas lindamente decorada. Durante a visita, Mara compartilhou sobre o seu mais recente desgosto. A ênfase foi dada ao pai que tinha impedido o casamento dela faltando apenas uma semana, depois de descobrir as mentiras que o noivo escondia, como, por exemplo, que ele já tinha sido casado pelo menos duas vezes e tinha uma filha da idade de Mara.

O pai dela, claramente, teve sabedoria suficiente para compreender que este homem (assim como os dois noivos anteriores) estavam se casando com ela somente pelo dinheiro. E, como qualquer pai, ele sabia que tinha que protegê-la. Mas não foi assim que Mara se sentiu, protegida, não importava o quanto as pessoas tentavam gentilmente convencê-la das intenções do pai. Eu pensei em quantas vezes nosso Pai celestial entra no caminho daquilo que nós acreditamos que nos levaria à felicidade, conhecendo o sofrimento que aquilo que desejamos nos traria mais tarde, se Ele não interferisse e frustrasse os nossos planos.

O que eu compartilhei com Mara naquela tarde, aparentemente, foi diferente do que as outras pessoas tinham oferecido a ela. Na posição de noiva do Senhor, foi fácil para mim explicar a ela que jamais conseguiria encontrar felicidade, nem se o seu verdadeiro príncipe encantado aparecesse em um cavalo branco. Em vez disso, a felicidade seria encontrada no seu relacionamento com o Senhor. O mais engraçado foi que, como todo mundo, eu suponha que ela conhecesse o Senhor pessoalmente, principalmente porque a sua família recebia os mais renomados, e mundialmente conhecidos, homens e mulheres de Deus em seus lares. Muitos deles eram amigos muito próximos da família e de Mara. Mas, contudo, só depois de conhecer e amar Mara por muito tempo foi que eu finalmente compreendi que ela nunca havia conhecido o Senhor pessoalmente.

Mais uma vez, não tenho certeza do que me fez compreender isso, mas no momento em que a luz se ascendeu e eu entendi, me lembro que pedi a Mara para me encontrar para um café. E foi durante a nossa conversa, quando eu comecei a fazer algumas perguntas, que ela me respondeu, não como alguém que conhecesse o Senhor, mas, ao contrário, respondeu com datas e eventos. Como o dia em que ela foi confirmada e outros marcos religiosos. Quando fiz a minha pergunta final, inspirada pelo Senhor (pode ser por isso que eu não me lembro o que perguntei), ela disse, “Eu não entendo a sua pergunta.” E eu respondi, “Eu sei que você não entende. Mara, embora você tenha estado cercada por cristãos a sua vida inteira, e muitas pessoas que se dizem cristãs, você nunca O ‘conheceu’ de verdade. E até que você tenha essa experiência, você nunca irá compreender completamente o que está perdendo.”

“Eu queria que você fosse para casa, entrasse no seu lindo closet (a essa altura ela já tinha se mudado para uma casa nova) e quando estiver lá, comece apenas a falar e a fazer perguntas ao Senhor. Você pode fechar os olhos ou ficar com eles aberto, mas acredite em mim, o Senhor estará bem lá ao seu lado, e, se você se sentar em silêncio, você O ouvirá falando com você, provavelmente em seu coração, não necessariamente com uma voz ou mesmo um sussurro.”

Mara fez exatamente como sugeri, e, quando ela me ligou, mal podia falar, só chorava de alegria. Uns minutos depois ela tentou de todas as formas me explicar o que tinha acontecido, mas eu a assegurei de que não precisava explicar, eu compreendia. Tudo que eu consegui fazer era sorrir como estou sorrindo agora ao pensar sobre aquele momento.

Entretanto, meu trabalho não estava terminado. Logo depois que nos falamos, o Senhor me inspirou a explicar para Mara que ela precisava ir lá na frente em nossa igreja (que nós duas frequentávamos) durante a próxima chamada ao altar.

Agora, antes que você ponha na cabeça que isso seja uma coisa que você tenha que fazer ou algo que você precisa fazer com que outras pessoas façam, pare e ouça. Todas as histórias de salvação são únicas e especiais, assim como cada pessoa que experimenta a salvação. Na situação de Mara, Deus sabia que aquilo era importante. Eu não sei como ou por que era importante, mas em cada encontro com Mara, eu estava sintonizada e sensível à orientação do Senhor, foi por isso que eu disse antes que é importante deixar que Ele guie tudo.

Contudo, embora Mara tenha concordado, todos os domingos ela não conseguiu ir lá na frente durante as chamadas ao altar e assim as semanas foram se passando. Naquele domingo o sermão foi sobre  sair da zona de conforto e dar os passos necessários para fazer o extraordinário. Aí quando começou a chamada para o altar, eu me virei para Mara para incentivá-la a ir. Mas ela evitava me olhar, e eu tive que sair de onde eu estava sentada (e da minha zona de conforto), caminhar até alguns bancos lá atrás e começar a chamá-la discretamente. Finalmente o pai bateu no ombro dela, e ela se virou em pânico, mas começou a vir na minha direção e, juntas, nós fomos até lá na frente de braços dados. No momento em que cruzou a entrada, ela começou a chorar e foi para a sala do altar com os outros.

Mais tarde, eu disse a ela que ainda não estava acabado, mas que o próximo passo era ser batizada. Novamente, deixe-me reiterar que somente SE o Senhor inspirar a você ou à pessoa a quem Ele vai salvar, esse passo deve ser dado e o batismo ser realizado. Então não adicione nenhum tipo de “obras” a esse relacionamento íntimo, como você não faria a um casamento entre um homem e uma mulher. Cada relacionamento é único e o que importa é o comprometimento de um para com o outro, o que supera qualquer gesto religioso ou relacionado.

Ao ser batizado na igreja sede (eu estava lá no dia), é pedido que cada participante compartilhe brevemente a sua história de salvação, que é filmada e depois apresentada enquanto eles entram nas águas e são batizados. O testemunho de Mara não somente chocou a todas as pessoas presentes, mas mais importante, aos pais dela que ficaram horrorizados. Não obstante, esta também tinha que ser uma das mais poderosas histórias de salvação, daquelas que colocam as pessoas de joelhos aplaudindo ao Senhor.

Naquela noite Mara contou que, muito embora ela e todos que conhecia acreditassem que ela fosse salva e cristã, ela nunca tinha experimentado o Senhor por si mesma. A voz dela estava embargada e lágrimas rolavam pela sua face enquanto ela falava do amor que a envolveu e a preencheu com um grande sentimento de auto-estima. Ela compartilhou que quase morreu em suas tentativas de suicídio (uma delas a  deixou desfigurada) e, por causa disso, além do seu dinheiro, ela era uma presa fácil para os homens porque ela queria somente ser amada.

Embora os pais dela e eu já fôssemos amigos antes deste dia, eles estavam magoados e eu tenho certeza que se sentiram um pouco traídos e expostos por eu ter sido chamada a ajudar Mara a encontrar o Senhor. Mas, obviamente, foi tudo esquecido quando minha família e eu ganhamos um lugar de honra no dia em que Mara se casou com o homem de seus sonhos, Keith, mais ou menos um ano depois.

Keith era um pastor do Desafio Jovem, que também tinha lutado contra o vício em drogas e outros vícios, o que permitiu que ele amasse Mara de uma maneira compreensiva, e com o amor de Deus, não somente como um homem. Keith era romântico, gentil, e um par perfeito porque ele não ligava para o dinheiro de Mara. De fato, os bens dela permitiram apenas que eles partissem em muitas missões de retiro para encontrar bom solo onde ajudar a semear o dinheiro de Mara e de sua família inteira. Eu sei disso porque meu filho Easton esteve em uma dessas viagens quando, junto com o casal, eles foram ao Haiti com o Convoy of Hope. Como eu já ouvi de muitas pessoas, Keith era “verdadeiro” e “genuíno” e muito amável com todo mundo, especialmente com Mara. As viagens missionárias deles diminuíram um pouco alguns anos depois que se casaram e tiveram um bebê, mas eu não creio que o seu ministério como casal irá jamais permanecer desacelarado por muito tempo.

Uma observação. Mara foi ensinada através do livro Uma Mulher Sábia, no mesmo ano em que ela conheceu Keith. Não através de mim; eu não tinha conhecimento disso. Uma amiga em comum, Marcy, que também era amiga de Mara há anos, se tornou a sua mulher mais velha. Marcy explicou, no casamento de Mara, que ela estava me retribuindo por ter salvado o casamento de seu filho. Aparentemente a nora de Marcy estava se divorciando do filho dela, e durante uma visita à sua bisneta, ela tinha lido o manual Uma Mulher Sábia que estava na mesa da cozinha. A nora de Marcy perguntou se poderia pegar o MS emprestado, e ligou no dia seguinte para dizer que tinha parado o divórcio.

Dez meses depois Marcy disse que estava segurando um novo bebê da restauração nos braços. Então, quando teve uma oportunidade, ela começou a se encontrar com Mara para estudarem juntas o manual Uma Mulher Sábia, e eu creio que isso ajudou a fazer com que o casamento de Mara e Keith fosse tão maravilhoso como ele é hoje em dia.

 

Diário